A auscultar desde dois mil e tal.

 

 

Olá a todos, especialmente a ti.

Seguindo, mais uma vez, uma ideia de um dos comentadores deste blog lanço para discussão o tema: O papel e desempenho da Igreja (e seus agentes) na vila de S.Torcato. Um tema delicado para alguns, digno de discussão para outros. Transcrevendo a ideia para discussão do comentador Sérgio Gonçalves, pretende-se saber "A satisfação dos Torcatenses com o papel da igreja e do padre da vila, as virtudes e defeitos, o que fez pela vila e o que podia ou deveria ter feito...". Este tema promete, na minha opinião.

 

Em relação a este assunto sou muito crítico . Há muita coisa que não consigo perceber na igreja. Atenção, não confundir igreja com a religião católica. Não me entra na cabeça uma série de procedimentos e acções que nos impõe e insistem em impor mesmo que nós não queiramos, mas aceito que alguém perceba. Não consigo perceber porque se pagam 7,5€ por mandar “dizer” uma missa, que não é mais do que dizer o nome da pessoa no início da mesma. Percebo e respeito o significado que isso possa ter para as pessoas , não percebo é a quantia. A fé que muita gente tem ao mandar “dizer” uma missa por uma pessoa já falecida faz com que em muitos dos casos “estourem” a reforma/ordenado à conta desta quantia ridícula. Que custo adicional tem para a igreja dizer o nome da pessoa? Já não chegam os peditórios e as esmolas? Não entendo. Também não entendo os peditórios para a festa do senhor, da senhora, etc. Aliás, entendo, porque as pessoas se querer usufruir dos acontecimentos da igreja e do que ela proporciona em termos religiosos têm de contribuir. Só não entendo é que grande parte dessa quantia é desperdiçada em foguetes que são uma coisa maravilhosa para o ambiente e que produzem um som magnífico, lindo, digna-se de passagem. Faz-me acordar, normalmente ao Domingo de manhã, com outra alegria. Poupem-me! Também não consigo perceber porque é que não deixam alguém ser padrinho/madrinha de uma criança porque se passa mais tempo na casa do namorado(a). Há tanta coisa que não consigo entender e que era preciso um grande texto mesmo para o dizer...e um advogado também. Destaco as que para mim são mais aberrantes...e mais fáceis de se dizer.

Mas será que, para mim, a igreja só tem defeitos? Claro que não. Destaco uma virtude bastante boa. O poder moral que esta pode ter nas pessoas e em alguns valores importantíssimos que transmite. Uma missa deve servir para isso mesmo. Não como uma obrigação, mas sim para escutar (algumas) profecias que fazem todo o sentido para a constituição da identidade de cada um. Sei que muitos devem estar a dizer: “Mas oh JP, não é preciso ir a missa para se aprender isso!”. E eu respondo, pois não.

Bom, em relação à prestação do padre da comunidade torcatense, João Fernando, penso que no geral, os fies estão contentes com a sua prestação na comunidade. Admiro a sua frontalidade nos “sermões” que apresenta, no sentido mais comum da palavra. Admiro também o modo como cativa os seguidores, mas sinceramente já não admiro tanto o modo como tenta abordar os menos seguidores. Compreendo o seu papel, mas em certos momento poderia ser mais contido.

Acho que também é de destacar o projecto do novo salão paroquial, impulsionado pelo Padre João Fernando, que ao que tudo indica irá avançar, sendo apenas uma questão de tempo. No meu ponto de vista esta obra, pelo que apresenta, colmatará grandes falhas que actualmente existem na vila. Um grande contributo para o desenvolvimento local, sem dúvida.

Posto isto, já repararam que não sou a pessoa mais indicada para dar uma visão muito aprofundada do tema, mas acima de tudo dei uma visão sincera do que aprecio e repugno na prestação da igreja, nomeadamente em S.Torcato.

 

Comentem, opinem, sejam especialmente activos.

 

Até breve,

JP  

 

Nota: Se me surgir mais algo para dizer sobre este tema faço-o como comentário, pois sei que ainda há muito para se discutir. Vou acompanhar os vossos comentários entrando quando necessário em discussão, como tenho feito normalmente.  

bitaite mandado por juanpapali às 16:21 | link do post
Isto de opinar sobre a igreja e o padre é, (vai ser!) na minha opinião, muito complicado e controverso, porque, prevejo que os comentadores se vão dividir em três classes ou seja: Os que são literalmente contra; os que são incodicionalmente a favor; os concordam com algumas coisas e discordam com outras.
Eu, posso dizer que, incluo-me neste último grupo, embora discorde de mais coisas do que aquelas com as quais concordo. Aliás, eu penso (logo penso...logo posso errar) que, de há uns anos a esta parte, só há religião católica se houver "dinheirinho" e como é lógico, S.Torcato, na minha opinião, não foge à regra. Outra coisa que me faz imensa confusão, é a religião católica não ser regida pelas mesmas normas em todo o lado, variando de freguesia para freguesia! (então a palavra de Deus não foi só uma?).
Eu sei que ainda não falei concretamente do assunto em discussão, (papel da igreja e do padre em S. Torcato) mas, por agora, apenas me fico por esta visão geral, prometendo desde já, que voltarei em breve para então apontar algumas situações com as quais eu  concordo, ou não.
Saudações para todos      
   
                                      
                
JMN a 8 de Novembro de 2009 às 23:04
Bons dias a todos...

De facto é complicado opinar este assunto mas tem de ser e assim é que é mais motivador. Antes de tudo devemos ter em conta que se deve opinar de uma forma construtiva e não caminhar no sentido da afronta pessoal como aconteceu em outros posts.

A Igreja em São Torcato tem um papel preponderante pois é por ela que a Vila é o que é... Pelo menos em relação ao Santo.

Podemos gostar ou não, ser católicos ou não, mas a Igreja ajuda muita gente na sua vertente social. Claro que existem outras associações/pessoas que também fazem essa assistência e também elas não estão livres de críticas. Aliás, em São Torcato ( e penso que em outras localidades por esse país fora), que faz é sempre criticado, pena é que de forma destrutiva.

A Igreja em São Torcato é a imagem da Igreja mundial, defeitos e virtudes e cabe-nos a nós corrigir os defeitos...

Em relação ao pároco, é complicada a análise... A vila esteve muitos anos habituados a uma pessoa ( 50 anos salvo erro), o Padre Arieira... era já alguém que fazia parte da "familia" e claro que vier a seguir tem sempre uma tarefa inglória e fica sempre com a sombra do antecessor a pairar sobre as suas acções...

Pegando na ideia do JMN, eu enquadro na categoria "os concordam com algumas coisas e discordam com outras", quem está "arredio" das hostes da igreja é sempre visto com má cara e dessa forma cada vez se afastam mais... o que no fundo quero dizer é que se deve tentar urgentemente uma outra abordagem em relação a essas pessoas por forma a incutir valores e respeito...

Assino as palavras do juan:
"Admiro também o modo como cativa os seguidores, mas sinceramente já não admiro tanto o modo como tenta abordar os menos seguidores. Compreendo o seu papel, mas em certos momento poderia ser mais contido."

Com o decorrer da discussão deverei ter mais opiniões...

Cumprimentos
Sérgio Gonçalves a 9 de Novembro de 2009 às 11:07
Olá
Sobre os estipêndios ou "taxas"  da missa

http://www.cliturgica.org/artigo.php?id=637 (http://www.cliturgica.org/artigo.php?id=637)
cumprimentos a todos, e parabens ao sr. JP pelo espaço de discussão que criou com este blog...
sendo eu um dos muitos Torcatenses que "tiveram" de ir viver para fora da Vila quando resolvi constituir família, devido á falta de construções ou falta de terrenos para construção( eu bem sei que sempre houve lotes para venda, mas tambem sei que comprei um lote mais perto da cidade, por 2/3 do valor que pediam em S.Torcato). mas este é um outro tema...
quanto á questão do papel da Igreja e dos seus representantes em S.Torcato, eu faço parte do 1º grupo que o sr. JMN referiu...
qual foi o papel da Igreja ao longo dos séculos? qual o propósito da Igreja no Mundo?sempre foi o de espalhar a palavra de DEUS... transmitir a palavra e a causa de DEUS.
quem já leu a Bíblia, sabe que Jesus, enquanto habitou a Terra e andou a espalhar a palavra de DEUS, viveu sem qualquer bem material, alimentando-se apenas da boa fé dos seus seguidores, que lhe forneciam mantimentos consoante as suas posses...
eu refiro-me a esta questão, apenas para realçar a questão levantada pelo sr.JMN, do porquê a Igreja ter um preço estipulado para "rezar" uma missa... se repararmos hoje em dia, apenas os idosos mandam "rezar" missas, e todos sabemos como são as reformas em Portugal, principalmente aqui no Norte, onde existem muitos reformados que viveram sempre do trabalho no campo, e por consequinte nunca fizeram descontos para a segurança social, sobrevivendo assim com a pensão minima, que é gasta quase na totalidade em medicação...
o que cada padre faz com o seu salário, é-me indiferente, mas deixa-me um pouco irritado... eles dizem que estão aqui na terra para espalhar a palvra de DEUS, e que são nossos servos, e é isso que me deixa irritado, pois farto-me de trabalhar e quando chega o fim do mês vejo o dinheiro todo a sumir para pagar a prestação da casa, para meter gasolina no carrito, para as compras de mercearia, etc. enquanto que o meu "servo" tem 2 ou 3 carros, um deles um Mercedez, pc de secretária e um portátil, e mesmo assim nas festas faz peditórios para fazer obras em casa, etc...
não será a Igreja a "instituição" que mais "obrigação" tem de ajudar os mais necessitados? não é esta mesma igreja que apregou-a que devemos ajudar-nos uns aos outros? então, como é possivel continuar-mos a vêr camiões e camiões a sair todas as semanas do santuário de Fátima carregados com as esmolas dos fiéis,  e não sabermos para onde vai esse dinheiro?
quer dizer, até sabemos, uma pequena parte vai para as instituições de caridade que a Igreja possui, outra parte para alimentar o pecado da vaidade, construindo novos santuários, e o resto????  será para comprar sapatos de 300€ prada, como os que usa o Santo Padre? será para comprar "papamobile's" mais bonitos para não sofrerem ataques?
se na igreja nos estão sempre a dizer: " ide e pregai a palavra de DEUS", porque é que eles têm medo do contacto com as pessoas de culturas diferentes? porque é que só conseguem espalhar a palavra de DEUS da forma que vem escrito nos "livros"? agora até já apregoam através da internet... falta o contacto humano, toda a gente sabe, que não é o mesmo estar a conversar por msn ou telemovel, do que estarmos frente a frente com a pessoa, é esse calor humano que falta á igreja.
ressalvo aqui que sou católico, apenas estou contra a Igreja, e todo o seu sinismo...
cump's
__R__
__R__ a 9 de Novembro de 2009 às 11:55

Boa tarde queridos bloguistas.Tenho visitado frequentemente este blog e desde já deixo o meu apreço por ele e para o seu mentor.
Este novo tema lançado em minha opinião é um tanto ou quanto delicado. Isto pode ser interpretado de várias formas e chocar algumas susceptibilidades.Discutir politica ou religião(igreja) dá sempre confusão.Politica foi sem duvida o tema mais badalado neste blog e vimos que criou algumas"desavenças".Agora Igreja e Padre concerteza vai dar barraca... OK mas, vou deixar então a minha opinião.
Tal como o nosso amigo Papali referiu, que não consegue entender o porquê de se cobrar 7.5 euros por uma missa eu também não. Ainda por cima quando estas são por 10 pessoas. Isto é cobram-se 7,5 eur X 10 falecidos =75,00 euros. Para onde vai este dinheiro? Quem é que controla o numero de pessoas por quem foi dita aquela missa? Pois isto não dá muito bem para perceber...
Em relação por exemplo aos divórcios..Diga-me quem souber, qual a razão porque uma pessoa divorciada não pode comungar? Será porque cometeu um pecado? Será que foi por jurar para toda a vida o seu casamento? Pois... Então como é possivel estar uma pessoa a dar a Comunhão sendo ele divorciado. ( è o maior exemplo).
Porquê que os filhos de pais não casados pela igreja ou simplesmente juntos em união de factos, não podem ser baptizados na nossa freguesia? Digo na nossa freguesia porque se estes mesmos casais forem a freguesias vizinhas isto é possivel. Ah, mas isto só se verifica para alguns. Porque há sempre excepções à regra. Quem for Amigo do Padre Fernando ele sempre fecha os olhinhos e aí já não importa o casamentp.
E agora vai ficar por aqui. Com um bocadinho mais de tempo vou expressar mais algumas coisas..
Abraços,
Diabo
Diabo a 9 de Novembro de 2009 às 14:01

Igreja e padres ora aí está um tema que promete polémica


Mas há que saber distinguir Igreja instituição (lei dos homens) como hoje a conhecemos de religião em si como a referiu o JP. O facto de não estar de acordo com as leis da igreja n quer dizer que se vá contra a religião. A mim também me faz muita confusão certas regras da igreja por exemplo o facto de os padres não poderem casar, alguém ser proibido de ser padrinho por estar divorciado ou porque vive com alguém e ainda não são casados pela Igreja. Os peditórios são outra questão engraçada dá-se dinheiro para “queimar” em foguetes, mas para causas importantes não se está tão disponível (o caso do peditório para Bombeiros).


Na minha opinião existem Padres que são os maiores seguidores da frase “ olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço”…..


Para já é tudo, boa noite 

Katia Banessa a 9 de Novembro de 2009 às 18:53
 Estou entusiasmadissimo com o tema, por isso não podia deixar de passar por cá novamente. Realmente acredito que o tema vai trazer bastantes curiosidades e algum lavar de" roupa suja". Pois é a nossa freguesia estava mal habituada em relação a Padres. Isto é!.. a um Padre, o dignissimo Padre Arieira. Não posso deixar passar em branco mais um ou outro que por cá passarm após o falecimento do Sr. Padre Arieira.Temos o caso do Padre Miranda que por ser concerteza mais correcto e porque não andava pelos lindos olhos de ninguem, o povo não gostava. Digo o povo mas não era concerteza toda a gente da freguesia. Eram só aqueles que tentavam lamber-lhe os pés e ele não queria.O padre João Alberto, nem há palavras para o descrever... Já o nosso actual não se pode dizer o mesmo. Primeiro estão os ricos e depois só porque parece mal, faz uma visitinha aos pobres(mais concretamente aos doentes).Gostava tambem de relembrar aqui o Sr Padre Leite. Foi um dos Sacerdotes destacado para a freguesia , quando o nosso actual foi de férias 1 ano para França.( tambem não sabemos porquê, foi castigo?!) Este realmente demonstrou muita dignidade para com todos os paroquianos, não conhecia ninguem mas era das pessoas mais atenciosas que já vi.
Realmente com pessoas como o Padre Fernando, que vontade dá de se frequentar a Igreja? Os movimentos? Vejam só,nem as crianças gostam de ir à missa celebrada por ele. Pois a alegria dele é mandar umas sapatadas de luva branca.Julga-se o maior.....
Desculpem o desabafo, mas realmente este não me convence.
Em relação á Igreja sou da opinião que tem que dar uma volta de 180º graus. Os tempos mudaram e existem crenças e "regras" que já não lembram a ninguem.Lembrem-se que se Deus hoje viesse à terra tería telemovel, portatil, mp3 e assim sucessivamente... Quem sabe tambem um Mercedes....
A Igreja é a maior fonte de riqueza e é a primeira a pedir... Gostaria de deixar aqui uma perguntinha para o Sr, Padre ou para quem souber responder. Em quê que a "Igreja" contribuiu por exemplo para a familia da Boavista que ficou se nada nas ultimas chuvadas? Em vez de fazerem obras na casa do senhor Padre como tanto se fala que é preciso, ajudem antes quem mais precisa. Até porque o Sr.Padre nem precisa daquela mansão.A Igreja tem uma casinha no quelho, que lhes foi duada e ele pode bem passar para lá. Para uma pessoa chega muito bem.
Por hoje é tudo.
Abraços,Diabo.

Olá.
Sobre a questão dos padrinhos e madrinhas pode consultar-se para esclarecer
http://paroquiavirtualfreiivo.blogspot.com/2009/09/padrinhos-de-batismo-e-unioes.html (http://paroquiavirtualfreiivo.blogspot.com/2009/09/padrinhos-de-batismo-e-unioes.html)
Boas,
Passo por aqui para deixar uma estatística:
Desde a sua criação até agora, este blog tem uma média de cerca de 100 visitas diárias.

Até breve,
JP
Um tema sem tema. Espero pelo próximo post.
TORCATENSE DE S.TORCATO a 10 de Novembro de 2009 às 11:08

Bom dia,


(o texto vai em partes porque o sistema não aceita todo)


Apesar de ter feito um esforço imenso para resistir à tentação de vir aqui deixar a minha opinião, não ficaria bem com a minha consciência se não o fizesse. Digo isto porque defendo que o poder político jamais deve opinar ou avaliar publicamente os demais poderes. É uma questão de respeito e de delimitação dos territórios de intervenção.  Mesmo assim, penso que este pecado tem perdão até porque tenho direito a ter a minha opinião individual.


Provavelmente sou o único comentador que assina o seu nome verdadeiro e que todos conhecem. Acho que em matérias que envolvam julgamentos de pessoas todos deveriam ter este comportamento. Mas, conhecendo eu bem a metodologia dos blog´s percebo e aceito toda e qualquer postura.


Por princípio, eu entendo que cada organização tem as suas regras e condutas que devem ser julgadas pelos seus sócios/fieis. Neste contexto, eu só me sinto legitimado para emitir opinião critica empenhada se eu pertencer a essa organização e se eu estiver enquadrado nos seus estatutos onde claramente são definidos os direitos e os deveres de cada um dos membros/sócios/fieis.


Posto isto, a instituição Igreja, apesar da sua magnitude e ampla implantação, para mim obedece a esta regra básica das organizações.  Não vou aqui discutir se o modelo de organização da Igreja é o melhor, se é o mais justo, o mais equilibrado e o que melhor serve os interesses dos seus fieis. Não, não é isso que está em causa pois as regras estão definidas há séculos.

Bruno Fernandes a 10 de Novembro de 2009 às 12:30

Aquilo que quero partilhar é a facilidade com que normalmente cada um de nós opina sobre tudo e se arroga no direito de o fazer e exigir determinados comportamentos quando nem sequer pertence à instituição e muito menos pratica os seus deveres. Isto é. Se eu aceito ser do Partido A ou do Partido B é porque me identifico com a sua ideologia e os seus estatutos. Depois, posso concordar ou discordar do papel dos seus dirigentes na gestão e na condução dos destinos dessa instituições à luz desses mesmos estatutos.


Também não acho que devemos ser fundamentalista ao ponto de pensar que só quem pertence pode emitir opinião, mas acho que devem haver mais cautelas quando isso não acontece sob pena de estarmos a ser injustos.


Ora, tentando ser mais claro e objectivo.  O ser humano tem sempre a tentação de avaliar o papel dos outros com uma exigência que o mesmo jamais teria caso fosse precisamente o outro. Logo, quem lidera é susceptível de agradar a uma parte e de desagradar a outra parte. Eu sei bem do que falo...


Posto isto, acho que este tema foi mal enquadrado pelo gestor do blog pois vai servir para que cada um dos bloger´s destile simpatia ou ódio pela causa. Acho que seria mais oportuno que o enquadramento fosse o papel da Igreja nos desafios que se colocam à sociedade e não tanto se faz sentido cobrar 7€ por uma missa ou se o Sr. Padre agrada ou não agrada.

Bruno Fernandes a 10 de Novembro de 2009 às 12:37

Será que cada um de nós já reflectiu se no desempenho das suas funções de pai, de filho, de profissional... agrada ou desagrada? Será que esta exigência que colocamos perante os outros é recíproca?


Será que é justo, sabendo nós que todos os humanos erram, avaliar apenas as coisas más dos protagonistas locais?


E o que é que cada um de nós faz para mudar o status quo?


Por isso, acho perigoso avaliar anonimamente esta ou aquela figura, por isso defendo que seria mais produtivo analisarmos aqui o papel da igreja no apoio social a quem mais precisa. O papel da Igreja na gestão dos conflitos entre países e até se quisermos ser mais bairristas, o papel da igreja no desenvolvimento da nossa Vila.


Eu, independentemente da minha fé e da forma como a pratico, deixo apenas o meu testemunho (se servir para alguma coisa) sobre o homem que assume as funções de pároco da freguesia. Tenho a maior estima e consideração pelo Sr.Padre Fernando. Terá certamente defeitos e virtudes, mas estou convencido que S.Torcato está muito bem servido a este nível e acho que o mínimo que devemos fazer é respeitar o seu trabalho e, divergindo, ir ao local certo apresentar os nossos argumentos. Ele não precisa de advogado de defesa, mas se precisar de uma testemunha abonatória eu cá estarei...


Um abraço   


Bruno Fernandes


 


 

Bruno Fernandes a 10 de Novembro de 2009 às 12:38
boa tarde,

pois eu acho que este tema é muito pertinente, a religião e o padre como representante da instituição, ainda têm um papel de relevo na nossa freguesia, e por isso este é um tema que deve ser discutido por todos os Torcatenses.
A religião católica, quando bem interpretada, tem de facto muitas virtudes e consegue ser um factor positivo na formação do carácter de uma pessoa incutindo-lhe valores importantes para a vida, e no âmbito da igreja esses valores são normalmente incutidos pelo padre da freguesia, desta forma se o padre não desempenhar o seu papel de forma consensual e direccionada para a população as virtudes da igreja nunca hão-de chegar aos possíveis destinatários.

Postas as coisas desta forma, a discussão deste tema tem inevitavelmente de se   centrar na actuação do padre, e o actual padre da Vila apesar de ter a virtude de ser frontal, não tem o dom humildade, sendo muitas vezes agressivo e arrogante na forma como se dirige aos paroquianos, ele não entende que o confronto agressivo e inquisitório com as pessoas apenas provocarão maior distanciamento destas em relação à igreja. há muitas pessoas que hoje em dia vão semanalmente à missa a outras freguesias porque não gostam da forma como o padre se relaciona com as pessoas, isto não traz vantagem nenhuma à vila, e terá como resultado inevitável a desertificação da nossa igreja. as pessoas normalmente apreciam a frontalidade, mas esta deve ser acompanhada pela humildade, e no caso da igreja pela persistência.

Outro factor de discórdia é o facto de o padre ser uma pessoa demasiado materialista e ostentador, mais uma vez vem ao de cima a manifesta falta de humildade do padre, é um problema sério não ser humilde e ocupar a posição de padre, eu cresci com o exemplo de um papa e de um padre da nossa vila completamente imaterialistas e humildes, é óbvio que como eu muita gente pretende que essas qualidades continuem a existir no padre da vila.

Para terminar, não quero deixar de referir que o padre, como qualquer outra pessoa não tem só defeitos, mas a posição que ocupa exige dele um comportamento diferente em áreas fundamentais para o desenvolvimento do catolicismo na nossa vila, não adianta querer fazer obra material se não houver obra espiritual.
paroquiano a 10 de Novembro de 2009 às 17:58
Boa noite,
é a minha primeira visita neste blog e, para minha surpresa me deparo com este tema, na minha opinião, um pouco inadequado.
Sendo o Sr Padre João Fernando pároco da nossa vila, e dizendo por outras palavras, o pastor de um rebanho, não deverá ele ter a franqueza e a frontalidade necessária para nos levar para o "bom caminho"?
A homilía (sermão, para os que não costumam frequentar a Igreja), não será mais do que um pai na sua casa faria em prol dos seus filhos tentando orientá-los? Alguns infelizes comentários por outros bloger's apresentados não podem ter saído de alguém que tal como o Sr Padre Fernando sofrem pela sua família (família cristã). Qual será o pai que ao ver um filho enredar por maus caminhos não o tentará demover a todo o custo? Será que não conseguem entender que não se trata de uma imposição, e muito menos de ideia inquisitórias como alguém teve a triste ideia de comentar, mas sim de um aconselhamento ou de proposta. Costuma dizer-se "serviu-te a carapuça"? É a sensação que têm aqueles que ouvem uma homilia e que não se sentem com a sua própria consciência.
Em termos de trabalho desenvolvido, o nosso pároco tem sido incansável. Pena é que os críticos, no sentido pejorativo, em vez de apontarem o dedo, não se aproximem e se ofereçam para participarem. Sendo ou não praticante, a ajuda será de certeza aceite.
Em termos de "dinheirinho", tal como alguns muito carinhosamente o tratam, só tenho um comentário a fazer: Só dou aquilo que quero!!!
Será que nenhum dos "queixantes" deste tema é sócio de algum clube, revista ou qualquer outra coisa? E então??? Não há queixas quanto às quotas ou a valor a pagar? 
Brincando um pouco com o assunto, sou adepto de Deus e de Jesus Cristo, tenho as minhas quotas em dia!
Um abraço a todos 
jorge a 11 de Novembro de 2009 às 22:10
informações confidenciais
procurar cenas
 
últimos bitaites
Muito bom. Quero uma destas!! 
Eu acho que apoiava a candidatura do juan papali d...
O JP pode ser um candidato a candidatar-se... apre...
Espero que a freguesia da corredoura e da Cachada ...
Também temos da Corredoura.
e da corredoura nao ha?
sim de facto, hoje em dia qualquer pessoa tem um p...
http://www.noticiasdeguimaraes.com/%e2%80%9ccentro...
Boas... na "onda" das obras... Como conseguem esta...
Depende do que gosta de fazer...
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
últimos bitaites
Muito bom. Quero uma destas!! 
Eu acho que apoiava a candidatura do juan papali d...
O JP pode ser um candidato a candidatar-se... apre...
Espero que a freguesia da corredoura e da Cachada ...
Também temos da Corredoura.
e da corredoura nao ha?
sim de facto, hoje em dia qualquer pessoa tem um p...
http://www.noticiasdeguimaraes.com/%e2%80%9ccentro...
Boas... na "onda" das obras... Como conseguem esta...
Depende do que gosta de fazer...
parvoíces mais comentadas
122 torcatenses já mandaram bitaites
98 torcatenses já mandaram bitaites
72 torcatenses já mandaram bitaites
60 torcatenses já mandaram bitaites
43 torcatenses já mandaram bitaites
38 torcatenses já mandaram bitaites
36 torcatenses já mandaram bitaites
35 torcatenses já mandaram bitaites
27 torcatenses já mandaram bitaites
26 torcatenses já mandaram bitaites
SAPO Blogs